Poemas e Prosas: BARULHO

quinta-feira, 26 de maio de 2016

BARULHO

BARULHO
DE FERREIRA GULLAR

Todo poema é feito de ar
apenas:  
              a mão do poeta
              não rasga a madeira
              não fere
                            o metal
                            a pedra
              não tinge de azul
              os dedos
              quando escreve manhã
              ou brisa
              ou blusa
                            de mulher.
O poema 
é sem matéria palpável
             tudo
             o que há nele
             é barulho
                             quando rumoreja
                             ao sopro da leitura.